Passar para o Conteúdo Principal Top

biblioteca-municipal-branco

Biblioteca_1

Apresentação do livro “Olhar(es) em trânsito: fotografia e outros textos”, de Francisco Mesquita, em Ponte de Lima

Apresentacao do livro olhar es  1 1024 800
14 Junho 2022

O Município de Ponte de Lima vai acolher a apresentação do livro “Olhar(es) em trânsito: fotografia e outros textos”, da autoria de Francisco Mesquita, no dia 18 de junho, pelas 17h00, no auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima.

Simultaneamente inaugurar-se-á a exposição com o mesmo título que permanecerá neste espaço de 18 a 30 de junho.

Esta ação, a cargo da Associação de Escritores, Jornalistas e Produtores Culturais de Ponte de Lima, vai promover uma notável obra que reúne cerca de três dezenas de fotografias, captadas desde 2017, que fomenta uma abordagem visual e uma recriação de olhares condicionados, onde cada imagem apresentada se faz acompanhar de um texto autoral.

O resultado, segundo o autor, “é um sem fim de olhares e de histórias. A própria história sugerida quando fixamos cada uma das imagens; outra história que é revelada através dos textos que acompanham cada fotografia, cuja imagética se sustenta, naturalmente, na individualidade do autor; e uma outra história que é a própria história recente do autor dessas imagens, no que diz respeito às problemáticas do olhar, fixadas segundo determinadas condições visuais, técnicas e estéticas.”

A exposição “Olhar[es] em trânsito” reúne fotografias em que o tempo da fotografia é um outro momento que parece contradizer o tempo da própria fotografia. Prevalece um tempo lento, de espera e expectativa que interpela outras possibilidades de visibilidade do real que a luz preguiçosamente esculpe. Lembrando Walter Benjamin, esta é a forma de salientar aspectos que escapam ao olho humano e que a objectiva livremente obtém, de forma a encontrar “realidades ignoradas pela vista natural”.

Para além da motivação estética, sempre inerente ao acto de ver e registar, interessou reproduzir esse outro olhar, comunicando um “real” que é múltiplo e indefinível. Um gesto de luz que invade o plano e procura um repouso instável; uma paisagem que se funde em várias cópias de si mesma e se dilui numa mescla de texturas sobrepostas; corpos arrastados que se multiplicam no movimento lento da captura, expressando subtilezas cromáticas variáveis; pontos e linhas de luz que se espraiam e dançam na abstracção da paisagem sem contornos...

Não percam esta sessão que, de forma original, entrosa as imagens com as palavras, numa simbiose perfeita de fruição da cultura e do lazer.

Aceitem o nosso convite e marquem presença nesta ação.